Os Sopranos: um retrato pioneiro da saúde mental masculina

por Patrícia Atanes de Jesus Bernardinelli - CRP: 06/37052

O que Os Sopranos têm a dizer sobre a vida emocional dos homens?


Quando o primeiro episódio de Os Sopranos foi ao ar em janeiro de 1999, parecia ter surgido do nada. Espectadores e críticos ficaram fascinados com a saga de crimes de David Chase. No papel, as provações e tribulações de um chefe da máfia de Nova Jersey soavam como o enredo de novelas sem muito valor, mas graças a Chase e uma série de performances fenomenais, acabou sendo um dos dramas televisivos mais ricos e complexos e dos mais assistidos, tendo sido e sendo até hoje sucesso em seu segmento.


Muito da força da série estava em quão relacionável Tony Soprano (James Gandolfini) era como personagem. Ele pode ter sido um membro de alto escalão da máfia, mas ainda tinha alguns problemas muito comuns para enfrentar: uma esposa insatisfeita, filhos amotinados, uma mãe sufocante, funcionários difíceis e, talvez o mais interessante para nós, uma tonelada de problemas de saúde mental. Tentando dar sentido à sua vida, Tony luta contra a ansiedade e a depressão ao longo das seis temporadas da série.


Depois de mais de Vinte anos, The Sopranos ainda se encontra entre as séries de TV mais comentadas e assistidas e pioneira quando se trata de retratar a saúde mental masculina.


“A verdade é que essa terapia é uma idiotice. Você sabe disso e eu sei disso.” (Tony para Dra. Jennifer)


Apesar de todas as balas e derramamento de sangue, são as cenas mais silenciosas de Os Sopranos que mais chamam atenção e nos atraem, e entre as melhores estão as sessões de terapia de Tony com a Dra. Jennifer Melfi (Lorraine Bracco). Isso porque, na decoração com painéis de carvalho do site terapêutico da Dra. Melfi, tivemos acesso psicológico íntimo a Tony: suas neuroses, ressentimentos, medos, desejos e segredos mais profundos. Não que ele seja um paciente entusiasmado, uma vez que foi encaminhando a Dra. Melfi depois de uma onda do que ele, nunca esteve disposto a admitir, serem ataques de pânico.


Se você fez terapia, saberá como o progresso e a vulnerabilidade andam dolorosamente de mãos dadas, e como você tem que depositar um nível surpreendente de confiança em seu psicoterapeuta. Você também precisa aprender a examinar partes de si mesmo que preferiria deixar em paz. É algo que Tony nunca fez antes. Ele é resistente. Mas quando ele menciona os patos que se estabeleceram em seu quintal, a Dra. Melfi detecta algo extremamente significativo.

“O que havia naqueles patos que significavam tanto para você?” ela pergunta, gentilmente persistente. Tony percebe a verdade: os patos representam sua própria ninhada. “Tenho medo de perder minha família”, diz ele, e começa a chorar. Naquele momento, Os Sopranos provou ser uma série verdadeiramente inovadora, onde mafiosos, tão tipicamente durões, machões, consignados a capangas ou status de alívio cômico, agora tinham espaços emocionais próprios para ocupar.

“Se a pessoa errada descobrir, eu recebo um antidepressivo revestido de aço na parte de trás da cabeça.”


Poucos programas exploraram o Grande Ego Masculino como Os Sopranos. Esta foi uma série cheia de bandidos, valentões, machões e egomaníacos: caras todos presos pelos códigos rígidos de masculinidade que ditam a vida na máfia. Lealdade e honra são tudo. Admitir a dor é admitir a fraqueza.


A vida da máfia não é bonita. As pernas estão quebradas. As balas são colocadas nas cabeças. Mas a descrição da Dra. Melfi de Tony – “Às vezes, ele é como um garotinho” – poderia facilmente se aplicar à equipe mais ampla de capitães, soldados e homens durões. Muito parecido com uma gangue de rapazes no pátio da escola, eles disputam status entre si em demonstrações de bravata de uma coisa: insegurança. Piadas improvisadas que são levadas a sério. Os jogos de pôquer se tornam pessoais. Não importa o quão brutais eles sejam, você não pode deixar de pensar muitas vezes: “Vamos lá, pessoal, não sejam tão tímidos!”


É a insegurança que deixa Tony tão desesperado para manter suas sessões com a Dra. Melfi em segredo. Se o estigma contra a busca de psicoterapia ainda é difundido hoje, era muito pior há 20 anos, principalmente entre um grupo de machos alfa na classe trabalhadora de Nova Jersey, retratada na série. É o suficiente para ameaçar a credibilidade de Tony como chefão da máfia. Quando Tony finalmente revela seu segredo para sua equipe, ele é recebido com um coro de murmúrios desajeitados. O palhaço Paulie (interpretado pelo ex-mafioso da vida real Tony Sirico) admite que ele mesmo procurou um terapeuta para “aprender algumas habilidades de enfrentamento”. O que Paulie não consegue entender é que a psicoterapeuta de Tony é uma mulher.


Então sabemos que os egos frágeis dos homens duros podem torná-los muito engraçados. Mas as consequências são tudo menos isso.


Todo o enredo da primeira temporada é estruturado em torno da luta entre Tony e seu tio, Corrado “Junior” Soprano (Dominic Chianese) pela posição de líder da família. Ambos têm algo incriminador sobre o outro, o suficiente para desestabilizar a posição de autoridade do outro. Para Junior, é a psicoterapia de Tony. Para Tony, é que Junior gosta de ser dominado por sua namorada Bobbi, o que, nos círculos da máfia, é o suficiente para se tornar motivo de chacota entre sua equipe. É uma coisa ridícula ser tão sensível e quando Junior descobre que Bobbi foi indiscreta, sua retribuição é sádica. É assim que o orgulho masculino ferido pode parecer.


Da mesma forma, quando a Dra. Melfi sonda Tony um pouco profundamente sobre sua mãe, ele derruba a mesa em seu escritório em um ataque de raiva e a ameaça fisicamente. A interpretação é tão real que, somos lembrados de que este homem é um assassino brutal. Mesmo que ele chore por causa dos patos em seu quintal.

Pensando em momentos desoladores de saúde mental masculina, podemos lembrar na primeira temporada, quando o policial corrupto Vin Makazian (John Heard) se joga de uma ponte depois de ser pego em um bordel. É com um rosto vazio que Vin silenciosamente decide seu destino: depois de uma vida inteira de desprezo e auto aversão, o suicídio é sua única saída. Mais tarde, Tony descobre que Vin sofria de depressão. Os Sopranos continuamente nos lembram de verdades bem sombrias: que homens fracos são perigosos, homens perigosos são frágeis e que a saúde mental masculina por si só, sem acompanhamento, pode ter consequências devastadoras.


Patrícia Atanes de Jesus Bernardinelli é Psicóloga Junguiana com Especialização em Terapia Sistêmica Familiar e Avaliação Psicológica, além de Psicologia Jurídica e Criminal Profiling – Psicologia Investigativa.

Atende Adolescentes, Adultos e Casais em consultório particular em São Bernardo do Campo/SP.

Atua em casos da vara da família ou da infância como perita e/ou auxiliar técnica de acordo com a solicitação do fórum ou de uma das partes.

Seus interesses estão voltados para relacionamentos, transtornos e síndromes diversas que atingem os adolescentes (incluindo depressão, suicídio).

Sua paixão está no entendimento do funcionamento da Psique e seus simbolismos além da busca dos conceitos e preceitos psicológicos na literatura e cinema.


Além de sua colaboração como escritora no blog psicologiaemseries acompanhe seu trabalho em:

www.psicosignificar.psc.br

www.facebook.com/psicosignificar

www.instagram.com/psicologa.patriciaatanes/

email: patriciaatanes.psi@gmail.com

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo