VIRGIN RIVER - "Fugindo, recomeçando ou as duas coisas?"

por Ana Claudia Lourenço CRP 5/41795


Nesta edição falarei um pouco sobre a personagem Melinda Monroe (Mel), uma enfermeira/parteira de Los Angeles, que aceita o desafio de trabalhar em uma pequena cidade, mudando-se para Virgin River.


Logo após a perda de seu bebê, Mel passou a pressionar o marido Mark, também médico, para que tentassem novamente o processo de fertilização, porém, durante uma dessas discussões eles sofrem um acidente de carro e Mark não resiste aos ferimentos. Sentindo-se sozinha e culpada pelo acidente que vitimou o marido, Mel resolve afastar-se da cidade, da família e mergulhar no trabalho em outra localidade.


Para Joey, a irmã superprotetora de Mel, ela está fazendo "a coisa errada", fugindo de sua vida real e de seus problemas. Porém para Mel, ela está apenas em busca de um recomeço.


Chegando na nova cidade, Mel percebe que a acomodação reservada para ela não condiz com o combinado e que o médico, com quem iria trabalhar, na verdade não deseja uma enfermeira ou uma auxiliar.


O que parecia uma esperança e uma solução, começa a se apresentar como um problema e um grande desafio, porém Mel consegue ser resiliente e perseverante.


Como uma ironia do destino, um dos primeiros pacientes que Mel atende é um bebê abandonado, isto a leva ao passado e a faz lembrar da perda de seu bebê e do período em que foi acometida pela depressão pós parto.


Sendo forte e profissional, Mel cuida do bebê, descobre quem é a mãe biológica, e com muito profissionalismo e amor, ajuda a unir a mãe e o bebê novamente.


Mel tem um jeito carinhoso e empático no trato com os pacientes. Ela se apresenta, diz seu nome, coloca-se como protetora e fala que tudo ficará bem. Este método que ela usa, cria uma ótima conexão com os pacientes, facilitando a consulta, tirando um pouco da tensão do paciente e os fazendo relaxar.


Jack, o bonito e simpático dono do bar mais famoso da cidade, cuida das "boas-vindas" à Mel, fazendo com que ela se sinta acolhida e não deseje voltar para Los Angeles. Aos poucos, Mel vai se envolvendo com os moradores de Virgin River e principalmente com Jack.


Com o passar dos dias nesta nova cidade e com uma nova rotina, Mel vai se dando conta que, apesar dos novos ares, das novas pessoas e dos novos ambientes ela ainda é a mesma Mel, que sofre pela perda de seu bebê e de seu marido. Ajudando outras pessoas, elaborando suas lembranças e vivenciando seu luto, Mel vai se sentindo aos poucos mais confiante em dividir seus segredos com as pessoas mais próximas.


Ajudada pelas emoções que vivencia dia a dia, em contato com as experiências de seus pacientes, Mel vai ressignificando seus pensamentos e sentimentos.


A mudança de cidade não fez Mel esquecer seus problemas mas a ajudou a enfrentá-los, mesmo que através dos problemas de outras pessoas. Observando a série, vemos que sempre que ela ajuda alguém, acaba se ajudando também.


Assim como acontece com Mel, existem muitas características em nós que ainda não descobrimos ou que ainda não sabemos lidar, como ela mesma diz "na maior parte do tempo, nem eu sei quem eu sou" .


Finalizando, podemos refletir que: não conseguimos fugir de nós mesmos e é através dos relacionamentos que nos ajudamos uns aos outros.


Ana Claudia Lourenço é psicóloga, coach pessoal e consultora de RH.


Seu trabalho tem como base a Terapia Cognitivo-Comportamental e a Psicologia Positiva.


Acompanhe seu trabalho:


Instagram: https://www.instagram.com/anaclaudiapsicologia/


Página: https://acllpsicologia.wordpress.com/



23 visualizações

Posts recentes

Ver tudo