“The Alienist” e os problemas de saúde mental causados pelo isolamento.

“No século 19, pensava-se que as pessoas que sofriam de doenças mentais eram alienadas de sua verdadeira natureza. Os especialistas que os estudaram eram, portanto, conhecidos como Alienistas.”

Por Patrícia Atanes - CRP 06/37052


É interessante relembrar um pouco da história e do significado do termo The Alienist, nome da série baseada no romance homônimo de Caleb Carr de 1994 e que traz à tona esse termo tão antigo e curioso, e nesta época bastante atual.


The Alienist, ambientado em 1896, durante a era dourada da cidade de Nova York, o título se refere ao Dr. Laszlo Kreisler (Daniel Bruhl), um psiquiatra criminal que trabalha com doentes mentais ou, na linguagem do século 19, "os alienados de si mesmos”.


Quando um menino de 13 anos é encontrado estripado na ponte Williamsburg, seus olhos arrancados e sua genitália mutilada, Kreisler é encarregado pelo comissário de polícia Teddy Roosevelt (Brian Geraghty) de investigar o assassinato. Ele logo descobrirá que o menino, que havia sido prostituto em um bordel que abrigava rapazes vestidos de mulher, é uma das várias vítimas, e o cruel assassino está à solta.


Kreisler, faz um intrépido detetive que, como diz outro personagem, “tem tanto prazer em manter todos no escuro”. Para a camada superior da sociedade, seus métodos são estranhos, e quanto mais ele exibe uma persistente resolução investigativa, mais seduzido pelo caso ele se torna. “Só se eu me tornar ele, se eu mesmo cortar a garganta da criança, se eu passar minha faca pelo corpo indefeso e arrancar os olhos inocentes de um rosto horrorizado, só então irei entender verdadeiramente o que sou”, diz Kreisler.


O cartunista de jornal John Moore (Luke Evans), um velho amigo de Kreisler e Dakota Fanning, completa o trio, interpretando a teimosa secretária Sara Howard, a primeira mulher a trabalhar para a força policial da cidade. Usando as disciplinas emergentes de psicologia e ciência forense, esse trio de estranhos sociais partiu para compreender um dos primeiros assassinos em série da cidade de Nova York.


No mundo totalmente oposto da mesma cidade estão Roosevelt e JP Morgan, que aparecem em uma das primeiras cenas da série, e uma multidão de pessoas que condescendem e desvalorizam as vítimas dos crimes hediondos do assassino.


Em meados do século XIX, muito antes do advento da psicanálise, os psiquiatras eram chamados de "alienistas" e tinham o trabalho de estudar, compreender, cuidar e ajudar os pacientes a superar sua "alienação mental" ou doença.


The Alienist se passa em 1896, um ano após a publicação de Estudos sobre a histeria (1895) de Freud, que marcou o nascimento da psicanálise. Podemos presumir que o psiquiatra fictício e protagonista da série, Dr. Laszlo Kreizler, leu esse livro, sendo exposto, ao fazê-lo, a alguns dos conceitos psicológicos mais básicos, embora ainda incipientes, que Freud desenvolveria posteriormente.


Podemos pensar nesses chamados alienistas como sendo os precursores primitivos dos psicanalistas (ou analistas, como chamamos mais popularmente hoje), psicoterapeutas e, mais intimamente associado, nesta época, aos psiquiatras forenses que eram médicos com conhecimentos específicos em psicologia criminal, incumbidos pelo sistema legal de avaliar a sanidade, putalibidade, resistência a julgamento e etc., assim como o Dr. Kreizler.


À medida que o campo da psicologia clínica gradualmente evoluiu durante aquele período da virada do século, os psicólogos especializados em estudar e traçar o perfil do comportamento e da mentalidade criminosos também eram comumente chamados de alienistas.


Jung, escreveu sobre esse termo aplicado a si mesmo:

"Enquanto estudava o manuscrito do Dr. Perry, não pude deixar de lembrar a época em que era um jovem alienista procurando em vão por um ponto de vista que me permitisse compreender o funcionamento da mente doente. Observações meramente clínicas e, a postagem subsequente mortem, quando se costumava olhar para um cérebro que deveria estar defeituoso, mas não mostrava nenhum sinal de anormalidade, não eram particularmente esclarecedores. "Doenças mentais são doenças do cérebro" era o axioma, e não dizia absolutamente nada.”


“...Nos meus primeiros meses na Clínica Burgholzli, percebi que o que me faltava era uma psicopatologia real, uma ciência que mostrasse o que estava acontecendo na mente durante uma psicose. Nunca poderia ficar satisfeito com a ideia de que tudo que foi produzido pelos pacientes, principalmente os esquizofrênicos, era um absurdo e um jargão caótico. Ao contrário, logo me convenci de que suas produções significavam algo que poderia ser compreendido, se apenas alguém pudesse descobrir o que era.”


“...Nossa abordagem clínica [dos alienistas] da mente humana era apenas médica... já que os alienistas estavam muito preocupados com a anatomia do cérebro, mas não com a psique humana. " – Carl G Jung, 1952, do Prefácio a The Self in Psychotic Process, de John Weir Perry)


Com certeza, como Jung aponta, os primeiros alienistas, eram extremamente orientados biologicamente no que diz respeito à compreensão e ao tratamento de doenças mentais, incluindo neurose, mas especialmente das síndromes mais graves, como esquizofrenia, depressão psicótica e mania.


Foi primeiro Freud, e depois Jung, que juntos se concentraram na psicologia dos distúrbios mentais em vez de sua neurologia ou fisiologia, influenciando profundamente a maneira como psiquiatras e psicólogos (ainda chamados de alienistas no início dos anos 1900 e além) conceitualizavam esses sintomas.


O século XXI assistiu ao que o próprio Freud poderia chamar de formação reativa e Jung de enantiodromia (um extremo se transformando em seu oposto), com relação à ênfase deles na psicologia sobre a neurobiologia no campo da saúde mental em geral. Em outras palavras, o pêndulo histórico oscilou dramaticamente nos últimos cem anos, do biologismo bruto dos primeiros alienistas aos penetrantes insights psicológicos da psicologia profunda no século XX, e agora, lamentavelmente, de volta à nossa conceitualização predominantemente neurobiológica, médica e tratamento de transtornos mentais.


O conceito de "alienação mental" deu origem ao uso do termo alienista, referindo-se àqueles profissionais que lidavam e tratavam o doente mental. Os alienistas que mais tarde foram influenciados pelo trabalho de Freud e Jung e, portanto, significativamente mais orientados psicologicamente, entenderam o sofrimento e a sintomatologia do paciente psiquiátrico como decorrentes do fato de estarem excessivamente alienados da sociedade e sem contato com seu verdadeiro eu (autoalienação).


Atualmente, os "alienistas" como tais podem estar extintos. Mas o fenômeno psicológico pelo qual foram nomeados, a dissociação do paciente mentalmente perturbado de si mesmo e a sensação debilitante de isolamento e alienação dos outros, ainda está muito vivo.


A alienação é uma epidemia mundial. Sentimentos de isolamento, alienação e solidão são generalizados no século XXI da alta tecnologia. E essa sensação subjetiva de alienação não é apenas dolorosa, mas potencialmente perigosa. Estudos científicos sugerem uma possível ligação entre sentimentos de solidão crônica e doenças cardíacas, demência, problemas de sono e até mortalidade prematura. Perceber-se como isolado, excluído, marginalizado ou rejeitado pela sociedade ou "tribo" pode continuamente desencadear nossa resposta primitiva, mas natural de "lutar ou fugir" e comprometer nosso sistema imunológico. E sentimentos agudos de alienação podem, com o tempo, levar a sentimentos crônicos de raiva, ressentimento, raiva, amargura e, em última análise, atos violentos destrutivos e más ações.


A violência às vezes pode ser um esforço desesperado e de última hora para sair de um estado de isolamento social excruciante, embora às vezes autoimposto. Tais atos de violência aparentemente aleatória podem ser considerados expressões destrutivas e patológicas de uma "raiva perversa por reconhecimento" em indivíduos excessivamente alienados, solitários, isolados, frustrados e zangados com fome de intimidade, amor, aceitação, compreensão, contato humano, um sentimento de pertença, significado e validação social.


O segundo fator-chave aqui com relação à alienação está relacionado ao senso de identidade: quanto menos sólido e estável o senso de si mesmo houver, menos conexão com nosso eu verdadeiro mais íntimo ou "alma" que tivermos, maior será a probabilidade de sofrermos de alienação e solidão dolorosa. De certa forma, somos incapazes de valorizar plenamente nossa própria companhia, de nos divertir, de ser bons amigos e companheiros de nós mesmos e de aceitar e tolerar a solidão existencial e a ansiedade existencial que pode acompanhá-la.


Quando alguém se sente vazio por dentro, totalmente desconectado e alienado de sua vida ou ser interior, essa pessoa deve buscar constantemente afirmação, interação e atenção dos outros, a fim de espelhar e validar seu valor e sua própria existência.


Isso geralmente ocorre quando, como sugeriram os alienistas, alguém está profundamente dissociado ou alienado de sua própria natureza, emoções, cognições ou valores, resultando em baixa autoestima, limites ruins, ansiedade patológica e uma incapacidade de tolerar a solidão. Em certo sentido, estamos inconscientemente perdidos e solitários por nosso eu perdido.


A solidão é uma parte integrante e indispensável da condição humana, absolutamente essencial para o processo criativo, bem como para a autoexploração, crescimento e individuação. Pode-se dizer que a capacidade de aceitar e tolerar pelo menos alguma alienação, solidão e isolamento é um barômetro de boa saúde mental.


Patrícia Atanes de Jesus Bernardinelli é Psicóloga Junguiana com Especialização em Terapia Sistêmica Familiar e Avaliação Psicológica, além de Psicologia Jurídica.

Atualmente pós graduanda em Criminal Profiling – Psicologia Investigativa.

Atende Crianças, Adolescentes e Casais em consultório particular em São Bernardo do Campo/SP.

Atua em casos da vara da família ou da infância como perita ou auxiliar técnica de acordo com a solicitação do fórum ou de uma das partes.

Seus interesses estão voltados para relacionamentos, transtornos e síndromes diversas que atingem os adolescentes (incluindo depressão, suicídio).

Sua paixão está no entendimento do funcionamento da Psique e seus simbolismos além da busca dos conceitos e preceitos psicológicos na literatura e cinema.

Acompanhe seu trabalho em:

www.psicosignificar.psc.br

www.facebook.com/psicosignificar

www.instagram.com/psicologa.patriciaatanes/

email: patriciaatanes.psi@gmail.com


89 visualizações

Posts recentes

Ver tudo