Daenerys Targaryen - Game of Thrones

Atualizado: 1 de Mar de 2019

por Alessandra Maria Esquillaro - CRP 06/97347


Olá pessoal! Estou feliz em estar aqui com vocês! Espero que curtam a viagem...


Falarei um pouco sobre a personagem de Daenerys Targaryen da incrível série Game of Thrones.


Uma série como essa, com tanta repercussão, só poderia ter conteúdos mitológicos, símbolos arquetípicos proeminentes, fortes que nos tocam intensamente e causam impacto.


Vamos olhar para Daenerys Targaryen com esse olhar simbólico, para expandir a compreensão dessa personagem Deusa.


Por se tratar de série tão extensa e complexa, escolhi alguns momentos para comentar e fazer essa relação simbólica:


Seu contexto inicial de donzela virgem e pura.


Seu casamento e relacionamento com Khal Drogo.


Seu "renascimento" após a morte de Khal Drogo junto com seus 3 dragões.


E a caminhada em direção ao seu aspecto de mulher sábia, que vai tomar o Trono de Ferro e aprender a reinar o seu povo.


Nesses comentários citarei um pouco sobre o contexto da situação vivida e a reflexão simbólica pertinente à essas situações.


Falando sobre o contexto de Daenerys, ela e seu irmão Viserys foram os únicos sobreviventes da família Targaryen, já que todos foram mortos e sua mãe morreu em seu próprio parto. Com isso, Viserys, seu irmão, era o legítimo herdeiro do Trono de Ferro. Ele cresceu revoltado e amargo, com o desejo de vingar-se dos que mataram sua família. Nos anos que se seguiram Viserys e Daenerys vagaram pelas nove Cidades Livres, até serem acolhidos e protegidos por Magister Illyrio Mopatis de Pentos, que os convida para ficarem em sua mansão e lhes oferece ajuda para reconquistar o trono.


Daenerys era alvo de toda frustração de seu irmão, cresceu sendo controlada por ele. Ela é pura, ingênua, virgem, delicada e da realeza. No início da história ela fica a mercê das vontades do irmão, não tem personalidade própria, é insegura e não tem consciência sobre sua própria natureza, não tem autonomia.


Viserys a trata como objeto e por interesse a obriga a se casar com Khal Drogo, do clã dos dothraki. Os dothraki são um povo bruto, primitivo, movidos em sua maioria por instinto.


O irmão acredita que quando a der para Drogo, os dothraki darão um exército à ele para poderem retomar o trono de ferro.


Na cerimônia de casamento, ela ganha de presente de Illyrio Mopatis 3 ovos de dragão que teoricamente haviam se transformado em pedras pelos anos.


O processo de se casar com Khal Drogo foi muito sofrido para ela. Simbolicamente poderíamos pensar no encontro do feminino com um Animus de estágio primitivo, mais instintivo. (Anima e Animus é um conceito junguiano que se refere ao feminino e masculino dentro de si).


Aos poucos ela vai conhecendo seu marido e se apaixonando por ele. Simbolicamente pode-se dizer que ela foi aos poucos tomando consciência de aspectos inconscientes dela mesma, os aspectos instintivos, aspectos primitivos da psique, que são opostos aos aspectos de sua personalidade delicada e sensível. Conforme ela vai sendo confrontada por situações e aspectos tão difíceis nesse casamento com Khal Drogo, pois ele é esse oposto, ele é bruto e instintivo, ela vai se conscientizando de partes complementares de sua própria psique que até então ainda não estavam conscientes. E conforme a psique ganha consciência, o indivíduo também ganha mais controle, autonomia e escolha. E conforme ela vai integrando esses aspectos instintivos em si mesma, ela vai se tornando mais forte, mais consciente, vai ganhando mais autonomia e se desenvolvendo.


Conforme ela vai integrando e ganhando consciência desses aspectos em si mesma, ela também passa a cultivar afeto por ele e pelo povo Dothraki. Ela engravida de Khal Drogo e ganha o respeito do povo Dothraki, assumindo o posto de Khaleesi.


Seu irmão, pelo contrário, voltado somente para ele mesmo narcisicamente, não desenvolve uma relação de respeito com ela e com esse povo. Ela passa a não mais se submeter aos seus jogos de poder. Ele então acaba sendo morto por Khal Drogo, após ameaçar Daenerys grávida publicamente.


Ela tem intenções de bondade, mas ainda ingênua, não possui a discriminação para enxergar

que a vida muitas vezes é injusta. Ela salva uma mulher da morte e é enganada por esta. Essa mulher pertencia a uma vila que foi invadida pelos Dothraki. Antes de Daenerys salvar a vida dela, a mulher já havia sido violentada e visto a morte de entes queridos. Daenerys ao salvá-la, acredita que está agindo com misericórdia e que é o correto a fazer. Mas essa mulher a manipula e a ilude, querendo se vingar da invasão que sua vila havia sofrido pelos Dothraki.


Após Khal Drogo se ferir numa luta, essa ferida começa a infeccionar e ele fica muito doente. Daenerys pede para que essa mulher faça uma magia para que Khal Drogo não venha a falecer. A mulher usa essa situação para sua vingança. Através de um ritual de magia faz com que o bebê de Daenerys nasça como um dragão e morto, e faz Khal Drogo sobreviver a infecção, mas ele fica vegetando, como se sua alma não estivesse mais presente.


Daenerys ao perceber a traição que sofreu por essa feiticeira, a condena à morte. E ao se dar conta que seu marido jamais voltaria a viver como ele mesmo, decide tirar a vida dele para que ele descanse, numa cena vivida com muita tristeza e dor.


O corpo de Khal Drogo é arrumado para ser cremado junto com os 3 ovos de dragão. Daenerys ordena que a feiticeira seja queimada na fogueira do ritual de cremação. Em um dado momento, Daenerys entra na pira em chamas, e após o fogo consumir tudo, ela é encontrada intacta junto com os 3 dragões recém-nascidos de seus ovos.


Simbolicamente podemos observar a integração dos opostos dentro de sua psique. O masculino (Animus) se transforma (morte), representado através da morte de seu marido, e ela o integra dentro de si mesma, ou seja, após a morte de seu marido, ela vai ficando cada vez mais forte em todos os sentidos. E, simultaneamente, os dragões nascem. Os dragões aqui representam as grandes forças dos instintos, da natureza, de poder e de grandeza. A morte e o renascimento são acontecimentos muito recorrentes dentro da mitologia, e é comum vermos heróis que passam por grandes processos de transformação, muitas vezes a própria morte e após isso voltarem mais fortes, integrados, com um maior nível de consciência.


A partir desse momento ela vai se empoderando cada vez mais de sua própria natureza e assume que é a herdeira do Trono De Ferro que governa os 7 Reinos e vai em direção a esse objetivo.


Passa por muitos confrontos e desafios, tira aprendizados de seus erros, desenvolve seu poder de escolha e discriminação. Sofre, chora, se decepciona, tem perdas e sofre traições. É roubada, ludibriada, mas também conquista o amor, a admiração e proteção de muitos. Segue sempre em frente aprendendo a tirar lições a duras penas.


Daenerys Targaryen, 3 aspectos femininos em uma só mulher:


Em seu primeiro momento é a mulher pura, ingênua e delicada.


Após a morte de seu marido é a mulher que renasce forte, dominando seus instintos como mãe dos dragões.


E quando decide seguir em frente para tomar o Trono de Ferro que tem direito, é a mulher que vai em busca para desenvolver a sabedoria e aprender a reinar.


Ela não sabe muito bem quem ela é, fica insegura com relação a sua própria identidade em diversos momentos. Ao mesmo tempo em que lida com os desafios, acertos e erros, vai integrando aspectos inconscientes dentro de si e ficando mais forte em direção ao seu objetivo, o Trono de Ferro, que simbolicamente é o Centro, o Self, o aspecto central da psique.


Todas as potencialidades de desenvolvimento dela já estavam alí presentes.


Ela tinha possibilidades múltiplas em seu caminho, não sabia o que aconteceria quando foi prometida à Khal Drogo por seu irmão, ou mesmo quando seu Reino foi destruído, seu pai foi morto, tiveram que fugir e o caos se instalou.


E segundo Jung, a vida acontece entre os opostos.


Nada é um lado só. Dentro da psique existe a Consciência e o Inconsciente, o Dia e a Noite etc.


Ao integrar os dois lados dentro de si, consciente e inconsciente, masculino e feminino, ela passa a se relacionar com mais integridade e coerência. De uma garota se transforma em uma mulher.


Mas na vida, nada é estático, os aspectos inconscientes e conscientes caminham juntos, o inconsciente está sempre presente. Ela tem dúvidas, insegurança em alguns momentos, mas já é uma pessoa diferente do que era.


Há muito mais para falar sobre essa personagem e seus encontros e desencontros mas, por agora, veremos como serão os próximos capítulos que irão estrear na nova temporada, ainda este ano de 2019.


Espero que tenham gostado dessa visão e ampliação simbólica do desenvolvimento dessa personagem!


Até a próxima!!!


Alessandra Maria Esquillaro, CRP 06/97347 é psicóloga Clínica e atuante desde julho de 2009. Especialista em Psicologia Junguiana e Abordagem Corporal (Título de Especialista em Psicologia Clínica) pelo Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo, Hipnoterapeuta e Master em Hipnose pelo Instituto Elsever - SP, Hipnose Clínica e Regressão de Linha do Tempo pela Sociedade InterAmericana de Hipnose - SP. Cursou Técnicas de Orientação Profissional, Desenvolvimento Pessoal e Profissional no Ciclo CEAP - SP. Cursou Aspectos dos Transtornos Alimentares no AMBULIM Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas FMUSP. Cursou Dependência Química. Panorama atual das Drogas módulo I e II na ABRAPE - SP. Trabalha com atendimento presencial e online; Psicoterapia; Orientação psicoeducativa; Técnicas de respiração e relaxamento; Hipnoterapia; Orientação de pais e família; Atendimento e orientação para Casais; Supervisão para Psicólogos; Aulas e palestras para pequenos grupos. Acompanhe seu trabalho em: 11 98942-9034

alessandra.esquillaro@gmail.com www.alessandraesquillaro.com

www.linkedin.com/in/alessandrapsicologa

https://www.facebook.com/alessandraesquillaropsicologa/

https://www.instagram.com/alessandraesquillaropsicologa/


Referências Bibliográficas:

Benedito, Vanda Di Yorio, (1996) Amor conjugal e terapia de casal: uma abordagem arquetípica, São Paulo, Summus.

Jung, Carl Gustav, (2008) Fundamentos de psicologia analítica, Petrópolis, Vozes [Obras completas, vol. XIII/1]


229 visualizações

Blog escrito por psicólogas e psicólogos de todo Brasil.

O conteúdo apresentado nos textos, assim como opiniões e interpretações sobre as séries, são exclusivas de seus autores. Não representam o entendimento de todos os profissionais.

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram