top of page

CENAS DE UM CASAMENTO

Eu estou cansada desse fascismo social. De conversas vazias, em que posso falar de tudo, menos da coisa mais importante na minha vida.

Por Marina Reis – CRP: 06/108906


Cuidado, contém spoilers!

A série Cenas de um casamento aborda um assunto tão atual, mesmo sendo uma regravação de um filme de 1973, ou seja: divórcio é um tema que “nunca sai de moda”. A história aborda o relacionamento conturbado de Mira e Jonathan, aparentemente perfeito (mas a perfeição tem validade, dura apenas metade do primeiro episódio).

A obra retrata o silêncio ensurdecedor que existe no dia a dia do casal, o amor e o ódio oculto (este muito mais evidente). Afinal, o que resta do amor, quando ele acaba? Nesta relação, restaram conversas incrivelmente sinceras depois de passarem por uma relação extraconjugal e toda angústia presente num relacionamento amoroso. Conversas francas que não tinham há anos.

Na série mostra todo processo de descoberta da traição: a verdade por parte de quem traiu (com quem/ como foi/ quando começou/ o que aconteceu), o processo de entendimento do lado de quem foi traído (entra num processo investigativo: “onde eu estava quando isso começou?”), o processo de amor e ódio: “eu te amo/ eu te odeio/ fica comigo/ vai embora/ vamos continuar/ quero terminar”.

Olhando sobre o viés da Terapia do Esquema, a Marianne parece ter esquema do abandono, no último episódio, quando se encontram na casa onde moraram e se separaram. Ela relembra que a mãe teve vários relacionamentos e comenta o que a mãe falou para ela no último encontro que tiveram: “Não faça isso, não se case. Jonathan é um cara legal, melhor cara com quem já esteve, provavelmente o melhor com quem você estará. Mas você não foi feita para se casar, você não tem esse gene. Eu não tenho, seu pai não tem, porque você teria?” – Mira se tornou uma mulher que abandona facilmente: abandonou a filha inicialmente (ao decidir viajar durante alguns meses um rapaz do trabalho, após assumir a relação para o Jonathan), abandonou o marido e não sustentou nenhum relacionamento após o término com Jonathan.

Após perceberem que não conseguiriam ser um casal convencional, o relacionamento continua, mas agora como amantes e mantém a relação em sigilo, o que evidencia o quanto aumentou o desejo sexual entre eles e levanta questionamentos sobre monogamia e não monogamia.



Marina Rollo Camargo dos Reis


Psicóloga formada pela Universidade Católica de Santos em 2011, curso de capacitação em Terapia de Casal. Atendimento individual e de casal na modalidade online.


Instagram: @psimarinareis




184 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page