A ciência por trás de “LIE TO ME”

por Patrícia Atanes de Jesus – CRP 06/37052

LIE TO ME” é uma serie drama/investigativa envolvente, inspirada nas descobertas científicas do Dr. Paul Ekman, um psicólogo americano pioneiro no estudo das emoções e sua relação com as expressões faciais. Ele criou um “atlas de emoções” com mais de dez mil expressões faciais e ganhou a reputação de “o melhor detector de mentiras humano do mundo”.


O personagem principal, Dr. Cal Lightman (Tim Roth) é auxiliado por sua parceira Dra. Gillian Foster (Kelli Williams), que juntos detectam fraudes e mentiras, observando a linguagem corporal e as Microexpressões faciais, e usam esse talento para auxiliar nas investigações criminais ou fraudulentas com a ajuda do seu grupo de pesquisadores e psicólogos.


A verdade é que todos nós mentimos. Essa é a suposição básica de “Lie to Me”, que segue o detector de mentiras humano Dr. Lightman (Roth) enquanto ele tenta resolver casos criminais encontrando a verdade através das expressões faciais e gestos dos suspeitos. Lightman é inspirado num detector de mentiras da vida real, o Dr. Paul Ekman que atuou como conselheiro científico da série. Ele analisou e criticou o roteiro de cada episódio e ensinou ao elenco e à equipe técnica a ciência da detecção da mentira, através das pistas embutidas que podem ser observadas no rosto humano, corpo e voz para expor a verdade e mentira.


Paul Ekman passou 50 anos pesquisando e caracterizando expressões faciais e movimentos corporais. Nos últimos 30 anos, sua pesquisa se concentrou em como detectar quando uma pessoa está mentindo apenas observando expressões faciais e gestos pequenos, fugazes e geralmente involuntários, chamados microexpressões. Essas microexpressões, uma mudança nos olhos, uma curvatura do lábio superior, um sorriso infinitesimal, podem nos denunciar sem que percebamos.


A pesquisa de Ekman na década de 1960 forneceu evidências de que pelo menos algumas expressões faciais são universais, isto é, certas expressões faciais significam a mesma emoção em qualquer cultura em qualquer lugar do mundo. Das culturas modernas da América do Sul e Ásia às tribos indígenas do Pacífico Sul, Ekman demonstrou que as pessoas em todo o mundo podiam reconhecer as emoções por trás das expressões faciais dos americanos brancos, como felicidade, tristeza, raiva, medo e nojo. Encorajado por essas descobertas, Ekman decidiu organizar um sistema pelo qual pudesse codificar as complexas expressões faciais de qualquer pessoa.


Em 1978, Ekman e seu colega Wallace Friesen publicaram o Facial Action Coding System (FACS), que categoriza as expressões faciais pela combinação dos músculos faciais que são empregados para formá-las. Ekman e Friesen com seus estudos mostraram que existe conexão entre os centros emocionais no cérebro e os músculos faciais sugerindo que nossas expressões faciais não são mais fáceis de controlar do que as experiências emocionais que correspondem a elas.


Ao pesquisar como seu trabalho com expressões faciais pode ser usado para saber se os pacientes dos médicos estavam dizendo a verdade, Ekman descobriu as microexpressões. “Lie to Me”, mostra a importância do trabalho do Dr. Paul Ekman e sua grande aplicabilidade no âmbito criminal, jurídico de forma geral, especialmente em interrogatórios, oitivas, em tribunais de juris, triagem de segurança de aeroportos e em muitas outras áreas, e, inclusive para melhorar as relações pessoais.


O trabalho de Ekman e científico e real, mas é o de Lightman na série... será que realmente é? Na série Lightman é famoso por detectar mentiras e através da linguagem corporal ser capaz de dizer imediatamente se alguém é honesto ou não. Isso é realmente possível?


Para quem já assistiu “Lie to me” o Dr. Lightman é chamado sempre que se precisa ter certeza de que as pessoas estão sendo sinceras. Em determinado momento do episódio, após algumas observações o Dr. Lightman é capaz de detectar as mentiras e resolver o caso. Ele faz isso com uma equipe de colegas especialistas em linguagem corporal e microexpressões.


O personagem do Dr. Lightman por se basear no Dr. Paul Ekman e em sua pesquisa sobre as emoções humanas, detecção de mentiras e descoberta de microexpressões; identificar microexpressões é uma das armas mais importantes do seu arsenal. Como ele é altamente treinado para identificá-los, ele afirma que pode identificar imediatamente se você estiver mentindo ou não. É claro que ele também usa outras formas de detectar mentiras, como análise de fala, observação de gestos (ocultos) e psicanálise parcial.


As microexpressões são expressões de emoções que são exibidas brevemente, apenas 1/5 de segundo ou até mais rápido. Essas microexpressões vazam o que a pessoa que as expressa está realmente sentindo. Uma pessoa pode estar sorrindo para você, mas se você perceber uma microexpressão de desprezo, por exemplo, é importante se aprofundar um pouco mais para saber se essa pessoa realmente gosta de você ou não.


Porém a rapidez como os casos são resolvidos, ou como a mentira é identificada em “Lie to me” não é real, mas que podem ser explicadas por ser uma ficção e ter 40, 45 minutos para os casos serem esclarecidos, o que diminui a precisão do que está acontecendo no departamento de linguagem corporal.


A definição de linha de base é o processo de observar como uma pessoa age naturalmente. Como ele segura as mãos dela? Ele / ela usa muitas expressões? Como a pessoa fala? Que palavras são usadas na fala normal? Depois de observar a pessoa e estabelecer uma linha de base, você pode começar a procurar diferenças na linha de base. Se você notar alguma diferença, isso pode significar que a pessoa está mentindo.


Na primeira temporada de “Lie to Me”, muita atenção é dada a essa parte muito importante da detecção de mentiras. Mas à medida que a série avança em suas temporadas, a linha de base parece acontecer cada vez menos, enquanto o Dr. Lightman é tão preciso como sempre. Esta é uma grande diferença em como a detecção de mentiras realmente funciona.


Então, “Lie to Me” está mentindo para você? Bem, sim e não. Os episódios são geralmente baseados na ciência, mas existe alguma liberdade tomada para tornar a série mais atraente para o público. A lição aqui é não tomar tudo o que você vê no programa como um fato. Leve com uma pitadinha de sal, aprecie o desempenho brilhante de Tim Roth como Lightman, mas não se deixe enganar e pensar que tudo o que você vê é verdadeiramente dessa forma, porque na realidade, acontece, mas não rápido e simples assim.


Patrícia Atanes de Jesus Bernardinelli é psicóloga junguiana, CRP 06/37052 com Especialização em Terapia Sistêmica Familiar e Avaliação Psicológica, além de Psicologia Jurídica.

Atualmente pós graduanda em Criminal Profiling – Psicologia Investigativa.

Atende Crianças, Adolescentes e Casais em consultório particular em São Bernardo do Campo/SP. Atua em casos da vara da família ou da infância como perita ou auxiliar técnica de acordo com a solicitação do fórum ou de uma das partes.

Seus interesses estão voltados para relacionamentos, transtornos e síndromes diversas que atingem os adolescentes (incluindo depressão, suicídio).

Sua paixão está no entendimento do funcionamento da Psique e seus simbolismos além da busca dos conceitos e preceitos psicológicos na literatura e cinema.

Acompanhe seu trabalho em:

www.psicosignificar.psc.br

www.facebook.com/psicosignificar

www.instagram.com/psicologa.patriciaatanes/

email: patriciaatanes.psi@gmail.com

Blog escrito por psicólogas e psicólogos de todo Brasil.

O conteúdo apresentado nos textos, assim como opiniões e interpretações sobre as séries, são exclusivas de seus autores. Não representam o entendimento de todos os profissionais.

  • Instagram - White Circle