The Walking dead: A evolução de Carl Grimes

Atualizado: Out 2

Por Giovanna de Boni Fraga, CRP 07/29470


The Walking Dead, uma série que conta a vivência do mundo pós-apocalipse. Terror, drama e ação dão o enredo da trama. Rick Grimes, pai de Carl, acorda no hospital sem saber o que estava acontecendo, e se depara com o mundo cercado por zumbis. Após, encontrar Morgan, que o ajuda a descobrir o estado em que as coisas se encontram, Rick está decidido a encontrar sua família. Ainda tentando compreender o novo mundo, Rick sai em busca da sua família. Nesse momento, algumas coisas saem errado, e Glenn o ajuda e o leva até o acampamento em que ele e outras pessoas dos arredores da cidade estão instalados. Chegando lá, Rick reencontra Carl em uma cena emocionante, e a partir daí a jornada do garoto de apenas dez anos se inicia.


OBS: Os próximos parágrafos contêm spoilers caso ainda não tenha assistido a série inteira.


Carl quando criança era tímido e reservado. Ele não interagia com as outras pessoas, apenas comseus pais e com poucos membros do grupo que ele se sentia confortável, que era o caso de Shane, que por pouco tempo foi namorado de sua mãe; Dale, um senhor mais velho e muito sábio; e Sophia, uma menina da sua idade. Carl, por ser um dos mais jovens do grupo, era mostrado muitas vezes, como assustado com os horrores do mundo, buscando assim, o conforto com seus pais. O garoto manteve sua timidez, mas com o passar do tempo, ele desenvolveu uma personalidade forte, e começou a ter menos medo do mundo, devido às situações difíceis pelas quais teve de passar. Ele tentou assumir um papel mais ativo, querendo ajudar o grupo, principalmente quando Sophia desaparece. Contudo, antes que se mostrasse mais inteirado dentro do grupo, Carl, sem querer leva

um tiro de um desconhecido que estava caçando um cervo, e fica inconsciente por alguns dias. Quando ele acorda do coma está muito mais ativo e interativo com os outros.


Ele então começa a manusear armas em um campo de treinamento, onde Rick e Shane o treinam; sua mãe não ficou feliz com a ideia, mas Rick a convenceu, pois afinal de contas, a situação que estavam era diferente de tudo o que já haviam vivido, e seria útil para Carl aprender a manejar uma arma. Ele teve a oportunidade de matar o seu primeiro zumbi, mas acabou entrando em pânico e nada contou sobre o ocorrido, pois Carl estava atirando pedras no zumbi, e então ele foi na direção do garoto. Ou seja, se contasse, provavelmente diriam que o aconteceu foi imaturo de sua parte, e como Carl estava querendo mostrar mais maturidade, acabou por permanecer em silêncio. Seu primeiro zumbi, acabou por ficar no final da segunda temporada, onde ele teve de matar Shane zumbificado. Foi uma escolha difícil para o garoto, mas quando percebeu que seu pai estava em perigo, não pensou duas vezes. Antes que eles pudessem se instalar de fato na fazenda de Hershel (o senhor que os acolheu, devido ao fato de Carl ter levado um tiro de um rapaz do seu grupo), o local foi invadido por uma horda de zumbis, e assim, saíram imediatamente. Então, o grupo do

acampamento, junto de Hershel, Beth e Maggie, ficaram alguns dias na estrada, até encontrarem o lugar mais seguro que conseguiram: uma prisão.


A vida na prisão foi bastante significativa para Carl, pois diversas situações difíceis ele teve de passar, como: o nascimento de sua irmã, a morte de sua mãe, o surto de seu pai, a chegada de Michonne. Tudo muda quando Carl tem de matar sua mãe para ela não virar um zumbi; ele começa a se mostrar mais responsável, maduro, menos assustado e entusiasmado também. Algumas vezes, ele se permitia estar feliz, mas logo em seguida, era como se ele se controlasse diante da situação e voltasse a ver as coisas com um olhar mais adulto. Não chegando a melancolia, mas ele passou a apresentar atitudes mais firmes e menos infantis, essa diferença aparece quando ele interage com algumas crianças na prisão, elas estavam brincando dando nomes aos zumbis, e ele não achava graça. Outro momento em que foi bastante importante para Carl, foi quando atacaram a prisão, e todos eles se separaram. Carl mostra ao seu pai o quanto está bravo pelo ocorrido, e Rick se dá

conta da personalidade forte e ativa do filho.


Nesse episódio, Rick fica inconsciente, o que deixa o garoto um pouco preocupado, e logo depois, ainda mais irritado. Carl leva dois zumbis para longe da casa que os dois ocupam até se recuperarem, enquanto ele os atrai quase é atacado por um terceiro, contudo, consegue matar os três zumbis. O garoto, volta para casa e xinga o pai desacordado dizendo que ele subestimava as habilidades de sobrevivência do garoto, e além do mais, não pôde proteger sua irmã, nem Hershel, Glenn, Maggie, Michonne ou a mãe dele e diz que vai ficar bem se Rick morrer. Carl sai para explorar o local, e se sente confiante e seguro, o que é mostrado na cena em que ele vai entrar em uma casa, e se joga na porta - como muitos adultos fazem - só que acaba caindo, por não ter força o suficiente para derrubar a porta. Depois de ter explorado o local, comido um pote de pudim, Carl, resolve voltar. Ele descansa por um tempo, acorda, e olha para Rick que começa a se mexer igual a um zumbi. Carl, então fica assustado, e puxa a arma para atirar, mas não tem coragem. Rick, rasteja em direção ao garoto e diz ‘’não saia daqui, fique seguro’’. Então, Carl, vai até o pai e diz que está com medo, mostrando assim, que mesmo com toda a segurança que ele tentava mostrar para ser aceito, ainda assim, ele era apenas uma criança. Quando Rick está desperto, ele diz ao filho que sente muito por ter duvidado das habilidades de sobrevivência dele e diz que ele já é um homem.


Carl segue evoluindo e mostrando sua importância entre os adultos, enquanto eles seguem estrada, até chegarem em Alexandria, onde se instalam e podem se estabilizar de vez. Apesar de ser o mais jovem, Carl, sempre se mostrava responsável e maduro para tomar conta quando seu pai e os outros tinham de deixar o local, e ele precisava ficar no comando. De todos do grupo, Carl, foi um dos poucos personagens que em meio a um apocalipse zumbi, conflitos entre grupos, perdas de pessoas queridas e importantes na sua vida, ele não perdeu a humanidade e o carinho para com as pessoas.

Ele sabia que algumas não eram boas, contudo, sabia também que todas mereciam ser salvas. Muitas vezes, agia instintivamente salvando pessoas ao longo da estrada, que foi o caso do Padre Gabriel e de Siddiq, que ele nem mesmo pensou, apenas correu para resgatar. Outra pessoa, que ele ajudou foi Michonne quando ela chegou à prisão, e estava na grade rodeada de zumbis, se ele não tivesse pedido para que abrissem o portão, provavelmente ela teria morrido ali mesmo. Ele sabia que era arriscado confiar nas pessoas, mas observando seu pai, cada vez mais tomando atitudes violentas, agressivas e impulsivas diante de todo mundo que aparecia na sua frente, Carl, foi seguindo o caminho oposto, pois Judith, sua irmã que havia nascido em meio a esse caos, precisaria de uma figura para se inspirar. Apesar de ele ter se tornado um homem forte por se inspirar na força de seu pai.


Carl, na metade da oitava temporada morre devido a uma mordida de zumbi no abdômen salvando Siddiq. Ele demorou um tempo para contar a todos o ocorrido, pois não queria preocupá-los. Mas antes de partir, ele ajudou o grupo a se esconder em segurança enquanto eles estavam sendo atacados por um grupo violento. Suas últimas palavras foram ‘’eu te amo pai’’, mostrando, que mesmo com todas as dificuldades, algumas falhas de comunicação, ele ainda amava o pai dele, e se orgulhava por ter conseguido sobreviver todo esse tempo devido a coragem de Rick. Carl, também, escreveu uma carta a Rick, Maggie, Negan e Enid, como forma de despedida. A carta em que fez para Rick, mostra o quanto Carl evoluiu, e ela diz o seguinte: ‘’Eu pensei que crescer era sobre conseguir um emprego e talvez criar uma família, ser um adulto. Mas crescer é tornar a si mesmo e

às pessoas que você ama seguras. Tão seguro quanto você puder, porque as coisas acontecem’’. Carl deixou o seu legado com essa frase, mostrando que havia se tornado adulto, responsável e solidário. Ele não deixava seus medos para trás quando os sentia, nem mesmo sua raiva, ele sentia suas emoções com intensidade. Ele também tinha empatia para com as pessoas, mesmo as que não eram boas, pois ele sabia que por trás de toda aquela maldade havia uma pessoa em sofrimento. Ele se mostrou, conforme ia crescendo e amadurecendo, que poderia se tornar um grande líder, talvez até melhor que Rick, e isso fazia com que o pai dele se sentisse cada vez mais orgulhoso, pois já não confiava mais tanto assim nas pessoas.


A história de Carl é um exemplo de superação. Nem todo mundo consegue lidar do mesmo modo que ele, pois, se pararmos para analisar todas as coisas pelas quais ele passou, poderiam ter deixado marcas profundas no seu ser, mas ele soube ultrapassar os obstáculos e fazer disso uma história de inspiração. Existem inúmeras histórias de superação, em que as pessoas conseguem passar por todos os desafios inimagináveis na vida e saem mais fortes das situações. Não é fácil. É um grande trabalho interno, uma enorme tentativa de manter suas emoções equilibradas. Carl, não deixou em nenhum momento de sentir medo ou raiva, ele sentia, demonstrava, e canalizava da melhor forma que conseguia. Carl, teve muitos mentores que o inspiraram a ser quem era: ele tinha a coragem de Rick, a bondade de Lori (sua mãe), a solidariedade de Maggie, a estratégia de Glenn, a esperteza de Daryl, a intuição de Michonne, a sabedoria de Dale, a tranquilidade de Hershel, a determinação de Shane e a força de Carol. Todas essas qualidades foram importantes para Carl formar a sua personalidade e agir conforme o que acreditava, pois se seguisse seu pai, ou mesmo Hershel, ou Maggie sem questionar, ele saberia que não estaria agindo conforme a sua verdade. E isso o tornava único.






Giovanna de Boni Fraga é escritora e psicóloga, CRP 07/29470 formada pela PUCRS. Idealizadora

do Projeto Relatos Porta Adentro, com o intuito de trazer leveza ao tempo de quarentena. Através do

autoconhecimento ajuda pessoas a se conectarem com a sua criatividade.

Acompanhe seu trabalho em:

https://medium.com/@giovannafraga

https://medium.com/@relatosportaadentro

9 visualizações

Blog escrito por psicólogas e psicólogos de todo Brasil.

O conteúdo apresentado nos textos, assim como opiniões e interpretações sobre as séries, são exclusivas de seus autores. Não representam o entendimento de todos os profissionais.

  • Instagram - White Circle