Dark e a Lei do Eterno Retorno

por Carolina Luz de Souza - CRP 06/87499


“A diferença entre passado, presente e futuro é somente uma persistente ilusão”.

Albert Einstein

Dark é uma série da Netflix que combina suspense, filosofia e ficção científica em uma história de tirar o fôlego que precisa de total atenção para acompanhar sua trama intrincada. Ela se passa na cidade alemã de Winden, na qual crianças desaparecem sem deixar vestígios. Mas vai muito além da investigação sobre os desaparecimentos, proporcionando momentos de reflexão filosófica profunda.


A intenção aqui não é dar spoilers sobre a história, embora alguns temas tenham que ser mencionados para entendermos a profundidade das discussões que a série traz.


Uma das reflexões trazidas pela série é: podemos mudar o curso da história? Temos poder sobre nossas próprias vidas ou os acontecimentos surgem como uma corrente que nos puxa em direção aos nossos destinos?


Essa pergunta não tem uma resposta única. Na série, vemos vários personagens viverem inconscientes dos ciclos de repetição que os envolvem e às suas famílias em um redemoinho sem fim. São arrastados pelo tempo e terminam sempre onde começaram. Além disso, deixam a seus descendentes a herança desse ciclo sem fim de dor e sofrimento. É o que em Psicologia chamamos de transmissão transgeracional.


Um trauma vivido e não transformado pode ser passado de forma inconsciente para outras gerações que poderão repeti-lo ou tomar consciência dele e quebrar o ciclo.


Constantemente nos consultórios recebemos pacientes que vivem uma repetição inconsciente de dramas familiares passados, como doenças, alcoolismo, gravidez indesejada, suicídio entre outros.


Tudo aquilo que não enxergamos com a luz da consciência e pelo qual não assumimos a responsabilidade de mudar, repete-se em um ciclo de eterno retorno.


Em Dark, vemos os desaparecimentos, o sofrimento e as escolhas erradas serem repetidas por várias gerações de uma mesma família, transformando em traumas transgeracionais os eventos vividos.


Por outro lado, há aqueles personagens que percebem a repetição dos ciclos e desejam interrompê-la. Contudo, suas ações levam a ainda mais problemas e sofrimento. A tentativa de interrupção abrupta do trauma, de impedir seu acontecimento, de acabar com o sofrimento acaba sendo a causa primeira do trauma.


Dark fala de viagens no tempo, de filosofia, mas também de Psicologia. Seus personagens usam a viagem no tempo para tentar impedir que o trauma original aconteça e não percebem que fazendo isso são eles que põem em movimento a grande engrenagem da repetição infinita do trauma.


Não é possível apagar o que aconteceu, simplesmente deletar os problemas. Cada um precisa se responsabilizar por suas ações, sentir o sofrimento e a perda e tentar agir para continuar sua vida apesar disso.


Ao invés disso, a cidade de Widen fica presa no tempo, envolta pela cobra que engole sua própria cauda (uroboros), o que significa que ela está mergulhada no inconsciente.


Apenas nossa consciência necessita, para compreender o mundo, das dimensões de tempo e espaço. A consciência humana divide o mundo em opostos: quente e frio, bom e mau, homem e mulher, dia e noite etc. Mas, justamente por precisar dessas divisões dicotômicas e também dos conceitos de tempo e espaço, ela é limitada.


A série apresenta o conceito de unicidade da realidade, uma dimensão anterior e posterior à consciência humana, onde tempo, espaço e tudo que existe não está separado. Essa é a realidade do inconsciente.


Em Dark, não sabemos onde está o presente. A série apresenta acontecimentos em vários períodos diferentes e todos eles interferem tanto no presente quanto no futuro. A conclusão a que chegamos é de que tudo está acontecendo ao mesmo tempo.


Nossa consciência não consegue conceber essa possibilidade. Dividimos a vida entre passado, presente e futuro e nos parece que ela segue um curso determinado, sempre em frente, nunca em direção contrária.


Mas o que acontece quando dormimos? Ou quando nos deixamos devanear, sonhando acordados?


Tanto o sonho como a imaginação podem nos levar ao passado remoto e ao futuro inimaginável. Podemos viver novamente situações felizes ou embaraçosas, e sabemos hoje que, para nosso corpo e nosso cérebro, não há diferença entre realidade ou imaginação. Exames de imagens cerebrais, identificam que as mesmas áreas do cérebro são utilizadas quando vivemos uma situação e quando lembramos delas.


É assim que, em transtornos como o de Estresse Pós-Traumático, as pessoas revivem o trauma como se ele estivesse acontecendo novamente no presente. E, na verdade, ele está. Porque, como eu disse, para o nosso inconsciente não existe tempo. Tudo é um eterno agora.


Também podemos utilizar nossa imaginação para criar um mundo futuro que ainda não existe. É assim que todas as coisas que existem hoje foram inventadas. Porque em algum momento já existiram na imaginação de alguém.


Dark, dessa forma, nos mostra como funciona o mundo do inconsciente. Vou além, do inconsciente de quem foi traumatizado. Podemos supor que talvez o que ocorre se passa na mente perturbada de Jonas (um dos personagens principais) e é dali que ele precisa tentar sair. Adam, outro personagem, diz a ele que Deus é o Tempo e que estão em guerra com Ele, querendo criar um mundo de liberdade. Porém, em qual mundo o tempo não existe? No inconsciente, é claro. A tentativa de viver num mundo sem tempo apenas os leva ainda mais fundo no inconsciente.


Tentar impedir que os acontecimentos venham a se passar, não é a melhor saída. A vida sempre trará à tona aquilo que foi reprimido. Viver no inconsciente não é uma opção porque precisamos da consciência para realizar ações no mundo. Estar sempre imerso no inconsciente é viver na loucura. Talvez a única possibilidade seja aceitar as perdas e ir em frente. É tudo o que realmente podemos fazer.


Carolina Luz de Souza é psicóloga junguiana, mestre em Psicologia Clínica e Especializada em Terapias corporais e artísticas. Trabalha com o desenvolvimento feminino e acompanhamento emocional do pré-natal e puerpério. Realiza atendimento a adultos, adolescentes e crianças na cidade de Campinas e online para todo o Brasil.

Facebook: https://www.facebook.com/carolluzpsi

Instagram: https://www.instagram.com/carolluz_ps

Site: www.lumiarpsicologia.com.br

129 visualizações

Blog escrito por psicólogas e psicólogos de todo Brasil.

O conteúdo apresentado nos textos, assim como opiniões e interpretações sobre as séries, são exclusivas de seus autores. Não representam o entendimento de todos os profissionais.

  • Instagram - White Circle